Sambinha cartesiano

 

Autor: Pedro Brasil, Rodrigo Sousa

 

Ela vem tão calada,

chega sapatinho.

Como quem não quer nada,

fala miudinho.

 

Postura bailarina,

crê no universo profundo.

Parece até uma sina

nós existirmos no mundo.

 

Me conquista por quadrantes.

Penso, logo existo.

Nada é mais como antes.

Sou mais eu e não desisto.

 

Tem retas, com lindas curvas.

Niemeyer, sem Descartes.

Vai deixando a vista turva.

É o todo e não as partes.


Nosso futuro é incerto,

mas quero estar ao seu lado.

Eu não sei o que é certo,

fazer presente ou passado.

 

 

Histórico:

 

 

RS