Natureza morta


 

Já fiz muita

natureza morta,

pisando em flores

de estradas tortas.

Não me acho, sempre,

não por fechar os olhos,

mas por querer o ventre.

O vento corre,

sereno, ao largo.

E eu finjo que morro

na ladeira da roda.


 

04/15

Histórico:

 

Ao andar pelos corredores do CCBB.

 

RS