E de novo, e de novo, e de novo, e de novo...

Até que o fardo de estar vivo seja pesado demais,
até que o espelho reflita diferente demais,
até que café esteja amargo demais,
até que o ar penetre seco demais,
até que os olhos abertos cansem demais,
até que pensar doa demais,
até que tudo seja demais,
até que o nada seja a paz.


 

03/15

Histórico:

 

O lamento de ver as mesmas dores se repetindo.

 

RS