Cinza do asfalto

Se digo: “abaixo a fome!”,
estou por cima.
Se digo estou com fome,
olho de baixo para cima.
Se tenho fome embaixo,
quero ficar por cima.
Se tenho fome em cima,
leio tudo que está embaixo.
Fico com fome se digo:
“Embaixo! Em cima!”.
Para quem tem fome,
não há nada embaixo,
não há nada em cima,
não há nada.


 

08/03

Histórico:

 

Uma poética retratação da realidade, por um rapaz da cidade grande.

 

RS